Monitorização da Qualidade do Ensino - Ano Letivo 2015/2016

À semelhança de anos anteriores, em 2015/2016, a avaliação interna da Qualidade do Ensino manteve como base metodológica a aplicação de um questionário aos estudantes, no final do ano letivo, relativo ao funcionamento das unidades curriculares. As questões colocadas abordam aspetos relacionados com os conteúdos e objetivos das unidades curriculares, as metodologias de ensino e de avaliação adotadas, os recursos disponíveis e a forma como contribuem para a aprendizagem e com a perceção de satisfação global que o estudante tem relativamente a cada unidade curricular.

De seguida, apresenta-se um resumo dos principais resultados da inquirição aos estudantes, estando disponível para consulta mais detalhada o relatório anual descritivo da NOVA - ano letivo 2015/2016.

Em 2015/2016, foi inquirido o número total de 2726 unidades curriculares (gráfico 1), tendo-se verificado ao longo dos últimos quatro anos um progressivo aumento de adesão por parte dos estudantes na resposta aos questionários (gráfico 2). Do ponto de vista da taxa de resposta, é evidente, nos três níveis de estudos, o esforço envolvido no aumento da participação ativa dos estudantes na Qualidade do Ensino. Regista-se, apenas no último ano, um ligeiro decréscimo na taxa de resposta em mestrados integrados e segundos ciclos.

O foco de análise das unidades curriculares incidiu na verificação, por um lado, daquelas que apresentavam situações problemáticas (uma avaliação de 2,9 ou menos numa escala de 1 a 6) e, por outro, das que evidenciavam resultados positivos bastante significativos em termos da satisfação global percecionada (pontuação positiva ≥ 5 na referida escala de 1 a 6).

A percentagem de unidades curriculares que evidenciaram situações problemáticas, por níveis de estudos, é inferior a 10% (gráfico 3), mantendo-se a informação sobre o progresso do estudante, no contexto das metodologias de avaliação, como o problema mais frequente.

Em relação à satisfação global, surgiram resultados positivos significativos em diversas unidades curriculares. No gráfico 4, é possível observar que a satisfação global é superior nos segundos ciclos.

Do ponto de vista global da NOVA (gráfico 5), face ao número de unidades curriculares em funcionamento em 2015/2016, a percentagem de unidades curriculares com situações problemáticas é de cerca de 4%, enquanto que as unidades curriculares com satisfação global elevada constituem uma parcela de 25%.

Tendo em vista a concretização de ações de melhoria, recorreu-se ainda a um exercício (figura 1) que permitisse detetar qual o fator da experiência académica com maior peso na maior ou menor satisfação do estudante com a unidade curricular.

Nessa ótica, foi realizada uma correlação entre os resultados das questões aplicadas, o que permitiu concluir que, embora todas estejam parcialmente correlacionadas, a questão relativa às metodologias de ensino utilizadas e ao seu contributo para a aprendizagem é a que mais interfere com a variação da satisfação global dos estudantes em relação à unidade curricular.

Em sentido inverso, é de destacar a baixa correlação existente entre a satisfação global do estudante em relação à unidade curricular e a questão sobre informação sobre o seu progresso, integrada das metodologias de avaliação.