Guia de Cursos

Queres conhecer a oferta de cursos da NOVA, nas áreas das licenciaturas, mestrados e doutoramentos?
No nosso Guia de Cursos encontras informação útil sobre Faculdades, Institutos e Escolas.
Podes ainda aceder a informações complementares necessárias a uma completa integração.

saber mais Guia de Cursos

Faculdade de Ciências e Tecnologia

Interação Pessoa-Máquina

Código

10796

Unidade Orgânica

Faculdade de Ciências e Tecnologia

Departamento

Departamento de Informática

Créditos

6.0

Professor responsável

Nuno Manuel Robalo Correia, Teresa Isabel Lopes Romão

Horas semanais

4

Total de horas

57

Língua de ensino

Português

Objectivos

Saber

  • Ter consciência da importância da interface como componente de um sistema interactivo.
  • Compreender os factores humanos que condicionam a utilização dos sistemas interactivos.
  • Compreender e utilizar novos paradigmas tecnológicos e metáforas de interacção.
  • Conhecer e aplicar os princípios de usabilidade.
  • Conhecer e aplicar diversas técnicas de prototipagem.
  • Conhecer e aplicar diversas técnicas de avaliação de interfaces.
  • Enquadrar IPM num Projecto de Engenharia.
  • Discutir a investigação recente no campo da interacção pessoa-máquina (HCI)

Fazer

  • Analisar e especificar os requisitos dos utilizadores.
  • Desenhar, implementar e avaliar interfaces (Desenho iterativo).
  • Criar soluções inovadoras de resposta a problemas de interacção.

Conteúdo

  1. Introdução - Human-Computer Interaction (HCI): o quê, para quê, quando?
  2. Princípios de usabilidade
  3. Características dos sistemas interactivos
  4. Factores humanos e tecnológicos que condicionam a utilização de um sistema interactivo
  5. Desenha centrado no utilizador e processo de desenho iterativo de interfaces
  6. Análise de tarefas e utilizadores
  7. Sketching e prototipagem
  8. Princípios de desenho de interacção
  9. Estilos de interacção
  10. Desenho gráfico
  11. Paradigmas de interacção
  12. Técnicas de avaliação
  13. Perspectivas futuras

Bibliografia

Recomendada

  • Dix, A., Finlay, J., Abowd, G. and Beale, R., Human-Computer Interaction. Prentice Hall Europe, London, 2003.
  • Norman, D., The Design of Everyday Things. MIT Press, 1998.
  • Nielsen, J., Usability Engineering, Academic Press, 1993.

Complementar

  • Mullet, K. and Sano, D., Designing Visual Interfaces, Prentice Hall, 1995
  • Shneiderman, B., Designing the User Interface: Strategies for Effective Human-Computer Interaction. Addison-Wesley, Reading, Massachusetts, 1998.
  • Moggridge, B., Designing Interactions. MIT Press, Massachusetts, 2007.
  • Tufte, E., Envisioning Information, Cheshire, Connecticut Graphic Press, 2003.

Método de ensino

Nas aulas teóricas é apresentada a matéria, ilustrada com exemplos de aplicação. As aulas laboratoriais destinam-se à apresentação e realização dos trabalhos práticos sobre a matéria apresentada na aulas teóricas. 

Método de avaliação

A avaliação continua da unidade curricular é constituída por 2 componentes de avaliação: a componente teórico-pratica (constituída por 2 testes escritos individuais, sem consulta, efectuados ao longo do semestre) e a componente laboratorial ou de projeto (constituída por 1 trabalho prático que corresponde a um projeto de desenvolvimento de uma interface para um sistema interativo).

Para obter frequência os alunos terão que obter uma nota >= 10 (em 20 valores) na componente de projeto. As discussões dos trabalhos serão efetuadas no fim do semestre, apenas com os alunos que podem ter frequência.

Fórmula de cálculo da nota final:

 - NotaFinal = 35%Teste1 + 35%Teste2 + 30%TrabPratico

A aprovação à unidade curricular exige as seguintes notas mínimas:

(média (Teste1; Teste2) >= 10) AND (Trab_Pratico >= 10)

Os alunos que obtiveram notas positivas nos trabalhos práticos e não obtiveram aprovação nos testes escritos poderão ainda realizar um exame, cuja nota substituirá a nota dos testes no cálculo da nota final.

Frequência obtida em anos anteriores

Os alunos que obtiveram frequência em 2015/16 ou 2016/17 têm automaticamente frequência, não necessitando realizar o trabalho prático (projeto) no corrente ano letivo (2017/2018).

Os alunos que obtiveram frequência em 2014/15 ou anteriormente têm de realizar o trabalho prático este ano letivo.

Datas de avaliação: 

Teste1 - a determinar

Teste2 - a determinar

Avaliação do primeiro protótipo (aula de presença obrigatória) - a determinar

Discussão final dos trabalhos - a determinar



Cursos