pixel Informações COVID-19 | Plano de Contingência | Atualizações 22 março: Mensagem do Reitor da NOVA | Universidade NOVA de Lisboa

Informações COVID-19 | Plano de Contingência | Atualizações 22 março: Mensagem do Reitor da NOVA

Atualizações dia 22 de março:

Mensagem do Reitor da NOVA, Professor Doutor João Sàágua

Caros membros da Comunidade NOVA,

Tendo sido decretado o estado de emergência em Portugal no passado dia 18 de março de 2020, o Governo promulgou um decreto de lei que determina um conjunto de medidas que entraram em vigor a 22 de março de 2020, as quais visam conter a transmissão do novo coronavírus e a expansão da doença COVID-19.

Assim, em linha com as orientações do Governo, procurando garantir o regular funcionamento da instituição e respeitando todas as normas de saúde pública, a Universidade NOVA de Lisboa, determina que, a partir de dia 23 março de 2020:

  1. O trabalho à distância ou teletrabalho passa a ser aplicado a todos os trabalhadores da NOVA, com exceção das situações em que é imperioso continuar a assegurar trabalho presencial;
  2. São considerados serviços essenciais com necessidade de presença física dos trabalhadores em instalações da NOVA:
    1. Atividades tecnológicas, médicas e biológicas, associadas à investigação científica, incluindo laboratórios, cabendo aos Diretores das Unidades Orgânicas determinar os serviços essenciais que terão de continuar a ser garantidos;
    2. Serviços prestados nas cantinas e residências, que deverão ser assegurados através de um regime de rotatividade dos trabalhadores afetos a esta atividade;
    3. Serviços de manutenção, limpeza e vigilância dos edifícios e espaços exteriores/verdes;
    4. Serviços mínimos administrativos, técnicos e financeiros necessários ao funcionamento da Universidade no atual contexto.
  3. Cada trabalhador que necessite de deslocar-se fisicamente para qualquer das instalações da NOVA, para efeito de cumprimento dos serviços essenciais ou de suporte aos mesmos, deverá preencher uma declaração (ver despacho) que terá de ser autorizada pelo Reitor ou Diretor da Unidade Orgânica, conforme se aplique.

As medidas que aqui partilho com todos podem ser consultadas em maior detalhe no Despacho Reitoral Nº122 / 2020, cabendo aos Diretores das Unidades Orgânicas, por minha delegação, especificar a implementação de algumas destas medidas. A NOVA atualizará a informação, sempre que se justifique, através do seu website (www.unl.pt).

Continuo a acompanhar pessoalmente, e em permanência, o evoluir da situação, juntamente com os Diretores das Unidades Orgânicas, monitorizando o regular funcionamento da atividade da NOVA.

Perante o atual contexto, sem paralelo, que o país e o mundo enfrentam, as medidas implementadas visam salvaguardar a segurança e a saúde da nossa comunidade. Relembro também que está nas mãos de cada um de nós a adoção de medidas e comportamentos responsáveis, seguindo as recomendações das autoridades de saúde. Só assim poderemos evitar a propagação desta pandemia.

Contem comigo para, juntos, superarmos as dificuldades pessoais, familiares e institucionais que estamos a enfrentar. 

Com os melhores votos, 

João Sàágua

Reitor da Universidade NOVA de Lisboa

 

Plano de Contingência da NOVA

Perguntas e Respostas

Perguntas e Respostas

O que é um coronavírus?

Os Coronavírus são uma família de vírus conhecidos por causar doença no ser humano e são bastante comuns em todo o mundo. O COVID-19 é uma doença causada por uma nova estirpe de coronavírus identificada na cidade de Wuhan (China) em dezembro de 2019.
O período de incubação do COVID-19 é de 2 a 14 dias. Isto significa que se uma pessoa permanecer bem 14 dias após contactar com um caso confirmado de COVID-19, é pouco provável que tenha sido contagiada.
Após exposição a alguém infetado com COVID-19, podem surgir os seguintes sintomas:

  • Tosse
  • Dificuldade respiratória
  • Febre

De forma geral, estas infeções podem causar sintomas mais graves em pessoas com sistema imunitário mais fragilizado, pessoas mais velhas, e pessoas com doenças crónicas como diabetes, cancro e doenças respiratórias.

Como se transmite o COVID-19?

Pelo que é conhecido de outros coronavírus, a transmissão do COVID-19 acontece quando existe contacto próximo (área até 2 metros) com uma pessoa infetada. O risco de transmissão aumenta quanto maior for o período de contacto com uma pessoa infetada.
As gotículas produzidas quando uma pessoa infetada tosse ou espirra (secreções respiratórias que contêm o vírus) são a via de transmissão mais importante.
Existem duas formas através das quais uma pessoa pode ficar infetada:

  • As secreções podem ser diretamente expelidas para a boca ou nariz das pessoas em redor (área até 2 metros) ou podem ser inaladas para os pulmões;
  • Uma pessoa também pode ficar infetada ao tocar em superfícies ou objetos que possam ter sido contaminados com secreções respiratórias e depois tocar na sua própria boca, nariz ou olhos.

Como se previne a transmissão da infeção?

Atualmente não há vacina contra o COVID-19. A melhor maneira de prevenir a infeção é evitar a exposição ao vírus.

Existem princípios gerais que qualquer pessoa pode seguir para prevenir a transmissão de vírus respiratórios:

  • Lavar as mãos com frequência – com sabão e água, ou esfregar as mãos com gel alcoólico se não for possível lavar as mãos. Se as mãos estiverem visivelmente sujas, devem ser usados preferencialmente sabão e água.
  • Cobrir a boca e o nariz com um lenço de papel descartável sempre que for necessário assoar, tossir ou espirrar. O lenço de papel deverá ser descartado num caixote do lixo e, em seguida deverão ser lavadas as mãos. Na ausência de um lenço de papel descartável, poder-se-á tossir para a prega do cotovelo. Nunca se deve tossir nem espirrar para o ar ou para as mãos.
  • As pessoas que sintam tosse, febre ou dificuldade respiratória devem permanecer em casa e não se deslocar para o seu local de trabalho, escolas dos filhos ou estabelecimentos de saúde.
  • Os alunos, colaboradores e visitantes devem lavar as mãos:
    • Antes de sair de casa
    • Ao chegar à Faculdade/Instituto/Escola
    • Após usar a casa de banho
    • Após intervalos e atividades desportivas
    • Antes das refeições, incluindo lanches
    • Antes de sair da Faculdade/Instituto/Escola
  • Utilizar um gel alcoólico que contenha pelo menos 60% de álcool se não for possível lavar as mãos com água e sabão.
  • Evitar tocar nos olhos, nariz e boca sem ter lavado as mãos.
  • Evitar contacto próximo com pessoas com tosse, febre ou dificuldade respiratória.
  • Limpar e desinfetar frequentemente objetos e superfícies de utilização comum.
  • Se tiver sintomas ou dúvidas contactar a Linha SNS24: 808 24 24 24. Não deslocar-se diretamente para nenhum estabelecimento de saúde.
  • Consultar regularmente informação em www.dgs.pt

O uso de máscaras de proteção na população em geral, estudantes ou colaboradores não está recomendado, uma vez que não há qualquer evidência de benefício do seu uso fora de estabelecimentos de saúde.

Voltei recentemente de uma viagem ao estrangeiro. O que devo fazer?

A NOVA tem em conta as orientações da Direção-Geral da Saúde e da Organização Mundial da Saúde sobre o COVID-19. De acordo com o Plano de Contingência da NOVA para a Doença por Coronavírus (COVID-19), todos os alunos e colaboradores que regressem de uma área com transmissão comunitária ativa do novo coronavírus, incluindo:

  • Alemanha (Estados de: Baden-Württenberg, Baviera e Renânia do Norte-Vestefália)
  • Espanha (Comunidades Autónomas de: Catalunha, La Rioja, Madrid e País Basco)
  • França (Regiões de Grand Est e Ilha de França)
  • Itália
  • China
  • Coreia do Sul
  • Irão
  • Japão
  • Singapura

devem, por princípio de precaução de saúde pública, respeitar um período de isolamento profilático domiciliário de 14 dias de isolamento após o seu regresso, durante o qual deverão vigiar o eventual aparecimento de sintomas (tosse, febre ou dificuldade respiratória).

Os que se encontrem nestas circunstâncias deverão, durante esse período:

  • Estar atentos ao aparecimento de febre, tosse ou dificuldade respiratória, no próprio ou nas pessoas com quem convive de perto;
  • Medir a temperatura corporal duas vezes por dia e registar os valores;
  • Lavar frequentemente as mãos, sobretudo antes das refeições e após uso da casa de banho;
  • Telefonar para a Linha SNS24 (808 24 24 24) caso surja algum dos sintomas referidos (no próprio ou nos seus conviventes), e seguir as orientações.

O que fazer se um(a) estudante ou colaborador(a) tiver sintomas e tiver estado potencialmente exposto ao COVID-19 (viagem ou contacto com caso confirmado)?

Todos os estudantes e colaboradores devem ser instruídos para reportarem ao ponto focal designado o seu estado de saúde se tiverem tosse, febre ou dificuldade respiratória.

Se for identificado(a) um(a) estudante ou colaborador(a) potencialmente suspeito(a) de infeção por COVID-19, este(a) não se deve deslocar aos serviços de saúde. Deverão ser seguidos os seguintes passos:

  • Permanecer numa sala ou gabinete designado de forma a manter-se afastado(a) dos outros colegas e evitar o contágio.
  • Contactar a Linha SNS24: 808 24 24 24 e explicar pormenorizadamente os sintomas e o histórico recente de viagens. Devem ser seguidas todas as orientações dadas.
  • Proteger a boca e o nariz quando tosse ou espirra, com um lenço descartável que deve ser deitado fora.
  • Evitar tocar em pessoas, superfícies e objetos.
  • A sala ou gabinete designado para o afastamento social do caso suspeito deve ser ventilada e deve ser limpa e desinfetada depois da pessoa a ter abandonado.
  • Se o caso suspeito necessitar de utilizar instalações sanitárias, deverá usar uma casa de banho separada, se disponível.
  • Não são necessárias medidas de controlo para as pessoas que estiveram em contacto com o caso suspeito enquanto são aguardados os resultados laboratoriais para COVID-19.
  • Não é necessário evacuar ou encerrar o estabelecimento de ensino, na ausência de exames laboratoriais confirmatórios.

Devem os alunos residentes manter-se nas residências da NOVA?

Devem apenas deixar as Residências da NOVA aqueles estudantes que o possam fazer nas melhores condições de segurança e saúde pública, nomeadamente no que diz respeito à situação em que o seu destino de regresso se encontra.

Recordamos que a contenção desta pandemia está nas mãos de todos nós, pelo que cabe a cada um uma atitude responsável, em conformidade com as orientações definidas pelas autoridades de saúde.

 


Ligações úteis

Páginas das escolas da NOVA:


 

Recomendações Coronavírus

Atualizações anteriores

13 de março – Mensagem do Reitor para a comunidade académica

Atualizações dia 13 de março:

  • Mensagem do Reitor da NOVA, Professor Doutor João Sàágua

Caros membros da comunidade NOVA,

Como é do conhecimento de todos, o Governo Português anunciou no dia 12 de março novas recomendações no combate à COVID-19, que implicam a suspensão das atividades letivas presenciais a partir da próxima segunda-feira, dia 16 de março, e até 9 de abril, quando for efetuada uma reavaliação da situação. Esta medida tinha sido já implementada e comunicada pela Universidade NOVA de Lisboa no dia 11 de março, quando decidimos substituir as atividades letivas presenciais por soluções de ensino através de plataformas digitais. Além disso, optámos por encerrar bibliotecas e salas de estudo, bem como promover, sempre que possível, o teletrabalho, procurando garantir a segurança de todos e o melhor funcionamento da instituição neste contexto adverso. Os alunos que estão nas residências foram aconselhados a deixá-las apenas se o puderem fazer nas melhores condições de segurança e saúde pública, nomeadamente no que diz respeito à situação em que o seu destino de regresso se encontra. 

A 13 de março procedemos ao encerramento das instalações da Nova SBE, Campus de Carcavelos, bem como da NOVA IMS e do Colégio Almada Negreiros, no Campus de Campolide, em Lisboa, uma vez que foram confirmados dois resultados positivos ao teste à COVID-19. Fizemo-lo cumprindo as recomendações das autoridades de saúde. 

Perante uma séria questão de saúde pública, devemos manter a confiança nestas autoridades, cujas orientações têm por base informação técnica e científica. Como tal, e porque estamos diante de um processo muito dinâmico, a NOVA atualizará regularmente a informação, através do seu website (www.unl.pt), adequando as medidas de resposta necessárias ao combate da pandemia. Informações mais detalhadas sobre o processo de adaptação em curso são prestadas pelas próprias Unidades Orgânicas (disponíveis também nos seus próprios websites). 

Estou a acompanhar pessoalmente, e em permanência, o evoluir da situação, juntamente com os diretores das Unidades Orgânicas. A nossa prioridade é a salvaguarda da segurança da comunidade da NOVA. 

Estou seguro de que todos juntos iremos ultrapassar da melhor forma as dificuldades pessoais, familiares e institucionais que estamos a enfrentar. 

Com os melhores votos, 

João Sàágua
Reitor da Universidade NOVA de Lisboa

13 de março de 2020: Nova SBE e NOVA IMS com instalações encerradas

  • Membro da comunidade estudantil da NOVA IMS com resultado positivo no teste à COVID-19 - Escola encontra-se encerrada (mais informação abaixo)
  • Membro da comunidade estudantil da Nova SBE com resultado positivo no teste à COVID-19 -  instalações da faculdade encontram-se encerradas (mais informação abaixo)

Membro da comunidade estudantil da NOVA IMS com resultado positivo no teste à COVID-19 - Escola encontra-se encerrada

A NOVA Information Management School (NOVA IMS) teve hoje, dia 13 de março de 2020, conhecimento de um resultado positivo ao teste à COVID-19. Trata-se de um membro da comunidade estudantil da NOVA IMS, de nacionalidade portuguesa, que, depois de um período de férias no estrangeiro, regressou a Portugal no fim do mês de fevereiro, proveniente de um país então ainda não referenciado como área de transmissão ativa do vírus. Este membro da comunidade estudantil está em quarentena.

Foi acionado de imediato o Plano de Contingência da Universidade NOVA de Lisboa para o combate à COVID-19. Nos termos desse Plano e de acordo com as orientações das autoridades de saúde, as instalações da NOVA IMS e o Colégio Almada Negreiros, no Campus de Campolide, em Lisboa, foram encerradas. Aguarda-se a aplicação das medidas de contingência subsequentes que venham a ser determinadas pelas autoridades competentes.

Foram identificadas as pessoas que tiveram contacto próximo e que conviveram no ambiente escolar com aquele membro da comunidade estudantil da NOVA IMS, as quais foram contactadas de imediato para que tomassem as medidas de contenção previstas pelas autoridades de saúde.

Todos os membros da comunidade foram já devidamente informados via email desta situação e do encerramento das instalações. Foi-lhes pedido que não se desloquem às instalações da NOVA IMS nem ao Colégio Almada Negreiros, no Campus de Campolide, em Lisboa, e que aguardem novas informações.

As atividades letivas da NOVA IMS continuam a funcionar sob a forma de ensino à distância a partir da próxima segunda-feira, dia 16 de março de 2020, tal como tinha sido já decidido pela Universidade NOVA de Lisboa no dia 11 março e que foi ontem, dia 12 de março, recomendado pelo Governo português.

A Universidade NOVA de Lisboa e a NOVA IMS exortam, neste período difícil e incerto, todos os membros das suas diversas comunidades ao respeito de cada um pelas normas recomendadas pelas autoridades de saúde e pelas constantes no Plano de Contingência da NOVA para o combate à COVID-19, pedindo que continuem a cumprir essas recomendações, nomeadamente as regras mais restritivas apresentadas pelo Conselho de Ministros na noite passada.


Membro da comunidade estudantil da Nova SBE com resultado positivo no teste à COVID-19 -  instalações da faculdade encontram-se encerradas

Nova SBE teve conhecimento esta noite da existência de um resultado positivo ao teste à COVID-19. Trata-se de um membro da comunidade estudantil da Nova SBE, de nacionalidade portuguesa, que, depois de um período de férias no estrangeiro, regressou a Portugal no início deste mês, proveniente de um país então ainda não referenciado como área de transmissão ativa do vírus. Este membro da comunidade estudantil está, até agora, assintomático e mantém-se em quarentena.

Foi acionado de imediato o Plano de Contingência da Universidade NOVA de Lisboa para o combate à COVID-19. Nos termos desse Plano e de acordo com as orientações das autoridades de saúde, as instalações de todo o Campus de Carcavelos foram encerradas ainda durante a noite e não irão abrir hoje. Aguarda-se a aplicação das medidas de contingência subsequentes que venham a ser determinadas pelas autoridades competentes.

Estão a ser identificadas as pessoas que tiveram contacto próximo e que conviveram no ambiente escolar com aquele membro da comunidade estudantil da Nova SBE, as quais estão a ser contactadas de imediato para que tomem as medidas de contenção previstas pelas autoridades de saúde.

Todos os membros da comunidade foram já devidamente informados via email desta situação e do encerramento do Campus. Foi-lhes pedido que não se desloquem ao Campus e que aguardem novas informações, que serão prestadas durante o dia de hoje.

As atividades letivas da Nova SBE continuam a funcionar sob a forma de ensino à distância, tal como tinha sido já adotado pela Universidade NOVA de Lisboa desde o dia 11 março e que foi ontem, dia 12 de março, recomendado pelo Governo português.

A Universidade NOVA de Lisboa e a Nova SBE exortam, neste período difícil e incerto, todos os membros das suas diversas comunidades ao respeito de cada um pelas normas recomendadas pelas autoridades de saúde e pelas constantes no Plano de Contingência da NOVA para o combate à COVID-19, pedindo que continuem a cumprir essas recomendações, nomeadamente as regras mais restritivas apresentadas pelo Conselho de Ministros durante esta noite.

11 de março de 2020: Universidade NOVA de Lisboa suspende aulas presenciais

Universidade NOVA de Lisboa suspende aulas presenciais

No dia em que a Organização Mundial de Saúde declarou a COVID-19 pandemia, a Universidade NOVA de Lisboa decidiu, a partir da próxima segunda-feira, dia 16 de março de 2020, suspender todas as aulas presenciais que ainda não tenham sido substituídas pelo ensino através de plataformas digitais, encerrando também bibliotecas e salas de estudo.

Informações mais detalhadas sobre o processo de adaptação em curso serão prestadas pelas próprias Faculdades/ Institutos/ Escola.

Não ocorrendo qualquer novo desenvolvimento, a situação será reavaliada pela Universidade no dia 13 de abril 2020. A NOVA está a acompanhar em permanência e com a máxima atenção o evoluir da pandemia. A decisão visa reduzir os riscos de contágio e salvaguardar a segurança da comunidade da NOVA, sendo tomada em alinhamento com as recomendações das autoridades de saúde, a quem compete decidir quais as medidas a implementar a cada momento.

Atenta e vigilante ao evoluir da situação no país, a NOVA atualizará regularmente a informação, adequando as medidas de resposta necessárias ao combate da pandemia.

A principal preocupação da NOVA é a segurança da sua comunidade académica.

10 de março de 2020: Universidade NOVA de Lisboa mantém medidas de contingência

Universidade NOVA de Lisboa mantém medidas de contingência

A Universidade NOVA de Lisboa, após reunião do Conselho de Reitores das Universidades Portuguesas (CRUP), que decorreu a 10 de março de 2020, e seguindo as recomendações das autoridades de saúde, a quem compete a decisão de suspensão de atividades e ou encerramento de espaços de utilização comum, decidiu manter as medidas de contingência de combate à COVID-19 implementadas a 9 de março de 2020.

Ao manter as medidas de contingência, a NOVA está a seguir as orientações das autoridades de saúde, aguardando qualquer nova indicação que possa resultar da reunião entre o Governo e o Conselho Nacional de Saúde Pública, agendada para amanhã, dia 11 de março de 2020.

A NOVA está a acompanhar em permanência e com a máxima atenção o evoluir da epidemia. Sem alarmismos, o contributo individual, na observância das recomendações e medidas preventivas, é fundamental para a obtenção dos resultados pretendidos e para a superação deste desafio comunitário.

A principal preocupação da NOVA é a segurança da sua Comunidade Académica, sendo, por isso, fundamental minimizar o risco de contágio. A NOVA recorda as medidas de contingência implementadas e seguidas por todas as suas Unidades Orgânicas, que, naturalmente, são ajustadas à evolução da situação e às especificidades de cada uma, procurando assegurar, dentro do possível, a atividade da Universidade:

  1. Manter as medidas do Plano de Contingência previamente aprovado para a NOVA;
  2. Reforçar todas as medidas profiláticas relativamente à COVID 19: evicção de contacto, lavagem frequente de mãos e superfícies;
  3. Suspender reuniões científicas públicas na NOVA com mais de 50 pessoas e com participantes provenientes do estrangeiro;
  4. Suspender quaisquer eventos públicos não científicos no perímetro da Universidade;
  5. Suspender o ensino prático clínico da Medicina que leve alunos aos hospitais;
  6. Iniciar a substituição das aulas (teóricas e práticas), sempre que possível, por conteúdos e-learning;
  7. Minimizar as viagens ao estrangeiro, que, caso tenham ocorrido para as zonas consideradas de risco, implicam quarentena social de 14 dias;
  8. Manter, por agora, o trabalho nos Laboratórios, usando e reforçando escrupulosamente as medidas de profilaxia explícitas no Plano de Contingência;
  9. Reduzir o pessoal de apoio presente na Universidade e nas Unidades Orgânicas, promovendo o trabalho a partir de casa;
  10. Eliminar o controlo biométrico;
  11. Reduzir a frequência de pessoas em cantinas e residências ao mínimo possível, apelando aos alunos para que o façam.

Devidamente articulada com as autoridades de saúde, a NOVA está atenta e vigilante ao evoluir da situação no país, avaliando os riscos em cada momento, atualizando regularmente a informação e adequando as medidas de resposta necessárias.

9 de março de 2020: Elevação das Medidas Contingência para o nível superior

Elevação das Medidas Contingência para o nível superior

A Universidade tem como preocupação primeira a segurança da sua Comunidade Académica, salvando o ano letivo. Colabora, simultaneamente, com as Autoridades de Saúde, no controle da epidemia COVID 19.

Determina-se:

1.    Manter as medidas do Plano de Contingência previamente aprovado para a NOVA;
2.   Reforçar todas as medidas profiláticas relativamente ao COVID 19 – evicção de contacto, lavagem frequente de mãos e superfícies;
3.   Suspender, sempre que possível, reuniões cientificas públicas na NOVA. Reuniões com largo número de participantes (> 50) e participantes provenientes do estrangeiro devem ser absolutamente suprimidas;
4.   Suspender quaisquer eventos públicos não científicos no perímetro da Universidade;
5.   Na Medicina, suspender totalmente o ensino prático clínico, que leve alunos aos hospitais;
6.   Iniciar a substituição das aulas (teóricas e práticas), sempre que possível, por conteúdos e-learning racionalizando e limitando, o seu uso;
7.   Substituir, assim, progressivamente as aulas por trabalhos, estudo marcado, etc;
8.   Viagens ao estrangeiro devem ser minimizadas e, se ocorrerem para as zonas de risco (Plano de Contingência), implicam quarentena social de 14 dias;
9.   Manter, por agora, o trabalho nos Laboratórios, usando e reforçando escrupulosamente as medidas de profilaxia explicitas no Plano de Contingência;
10. Minimizar o pessoal de apoio presente na Universidade e UO’s – promovendo o trabalho a partir de casa e minimizando a sua presença local – Normas a estabelecer pela Gestão;
11. Eliminar o controlo biométrico;
12. Cantinas e Acção Social  - reduzir a frequência em Cantinas e residências ao mínimo possível, apelando aos alunos para esse processo. Implementar aí todas as medidas de profilaxia;
13. Usar de todo o bom senso, no sentido de avaliar riscos em cada momento, e manter toda a atenção relativamente ao evoluir da situação, que é muito volátil. A NOVA atualizará oportunamente a informação e, adequará as medidas, que podem vir a escalar;
14. As unidades orgânicas deverão implementar as medidas concretas necessárias.

2 de março de 2020: Publicação do Plano de Contingência e Perguntas & Respostas

Plano de Contingência

Consulte informação sobre o Plano de Contingência da Universidade NOVA de Lisboa

Perguntas e Respostas

O que é um coronavírus?

Os Coronavírus são uma família de vírus conhecidos por causar doença no ser humano e são bastante comuns em todo o mundo. O COVID-19 é uma doença causada por uma nova estirpe de coronavírus identificada na cidade de Wuhan (China) em dezembro de 2019.
O período de incubação do COVID-19 é de 2 a 14 dias. Isto significa que se uma pessoa permanecer bem 14 dias após contactar com um caso confirmado de COVID-19, é pouco provável que tenha sido contagiada.
Após exposição a alguém infetado com COVID-19, podem surgir os seguintes sintomas:

  • Tosse
  • Dificuldade respiratória
  • Febre

De forma geral, estas infeções podem causar sintomas mais graves em pessoas com sistema imunitário mais fragilizado, pessoas mais velhas, e pessoas com doenças crónicas como diabetes, cancro e doenças respiratórias.

Como se transmite o COVID-19?

Pelo que é conhecido de outros coronavírus, a transmissão do COVID-19 acontece quando existe contacto próximo (área até 2 metros) com uma pessoa infetada. O risco de transmissão aumenta quanto maior for o período de contacto com uma pessoa infetada.
As gotículas produzidas quando uma pessoa infetada tosse ou espirra (secreções respiratórias que contêm o vírus) são a via de transmissão mais importante.
Existem duas formas através das quais uma pessoa pode ficar infetada:

  • As secreções podem ser diretamente expelidas para a boca ou nariz das pessoas em redor (área até 2 metros) ou podem ser inaladas para os pulmões;
  • Uma pessoa também pode ficar infetada ao tocar em superfícies ou objetos que possam ter sido contaminados com secreções respiratórias e depois tocar na sua própria boca, nariz ou olhos.

Como se previne a transmissão da infeção?

Atualmente não há vacina contra o COVID-19. A melhor maneira de prevenir a infeção é evitar a exposição ao vírus.

Existem princípios gerais que qualquer pessoa pode seguir para prevenir a transmissão de vírus respiratórios:

  • Lavar as mãos com frequência – com sabão e água, ou esfregar as mãos com gel alcoólico se não for possível lavar as mãos. Se as mãos estiverem visivelmente sujas, devem ser usados preferencialmente sabão e água.
  • Cobrir a boca e o nariz com um lenço de papel descartável sempre que for necessário assoar, tossir ou espirrar. O lenço de papel deverá ser descartado num caixote do lixo e, em seguida deverão ser lavadas as mãos. Na ausência de um lenço de papel descartável, poder-se-á tossir para a prega do cotovelo. Nunca se deve tossir nem espirrar para o ar ou para as mãos.
  • As pessoas que sintam tosse, febre ou dificuldade respiratória devem permanecer em casa e não se deslocar para o seu local de trabalho, escolas dos filhos ou estabelecimentos de saúde.
  • Os alunos, colaboradores e visitantes devem lavar as mãos:
    • Antes de sair de casa
    • Ao chegar à Faculdade/Instituto/Escola
    • Após usar a casa de banho
    • Após intervalos e atividades desportivas
    • Antes das refeições, incluindo lanches
    • Antes de sair da Faculdade/Instituto/Escola
  • Utilizar um gel alcoólico que contenha pelo menos 60% de álcool se não for possível lavar as mãos com água e sabão.
  • Evitar tocar nos olhos, nariz e boca sem ter lavado as mãos.
  • Evitar contacto próximo com pessoas com tosse, febre ou dificuldade respiratória.
  • Limpar e desinfetar frequentemente objetos e superfícies de utilização comum.
  • Se tiver sintomas ou dúvidas contactar a Linha SNS24808 24 24 24. Não deslocar-se diretamente para nenhum estabelecimento de saúde.
  • Consultar regularmente informação em www.dgs.pt

uso de máscaras de proteção na população em geral, estudantes ou colaboradores não está recomendado, uma vez que não há qualquer evidência de benefício do seu uso fora de estabelecimentos de saúde.

 

Voltei recentemente de uma viagem ao estrangeiro. O que devo fazer?

A NOVA tem em conta as orientações da Direção-Geral da Saúde e da Organização Mundial da Saúde sobre o COVID-19. De acordo com o Plano de Contingência da NOVA para a Doença por Coronavírus (COVID-19), todos os alunos e colaboradores que regressem de uma área com transmissão comunitária ativa do novo coronavírus, incluindo:

  • Norte de Itália (regiões de Emiglia-Romagna, Lombardia, Piemonte, Veneto)
  • China
  • Coreia do Sul
  • Irão
  • Japão
  • Singapura

devem, por princípio de precaução de saúde pública, respeitar um período de isolamento profilático domiciliário de 14 dias de isolamento após o seu regresso, durante o qual deverão vigiar o eventual aparecimento de sintomas (tosse, febre ou dificuldade respiratória).

Os que se encontrem nestas circunstâncias deverão, durante esse período:

  • Estar atentos ao aparecimento de febre, tosse ou dificuldade respiratória, no próprio ou nas pessoas com quem convive de perto;
  • Medir a temperatura corporal duas vezes por dia e registar os valores;
  • Lavar frequentemente as mãos, sobretudo antes das refeições e após uso da casa de banho;
  • Telefonar para a Linha SNS24 (808 24 24 24) caso surja algum dos sintomas referidos (no próprio ou nos seus conviventes), e seguir as orientações.

O que fazer se um(a) estudante ou colaborador(a) tiver sintomas e tiver estado potencialmente exposto ao COVID-19 (viagem ou contacto com caso confirmado)?

Todos os estudantes e colaboradores devem ser instruídos para reportarem ao ponto focal designado o seu estado de saúde se tiverem tosse, febre ou dificuldade respiratória.

Se for identificado(a) um(a) estudante ou colaborador(a) potencialmente suspeito(a) de infeção por COVID-19, este(a) não se deve deslocar aos serviços de saúde. Deverão ser seguidos os seguintes passos:

  • Permanecer numa sala ou gabinete designado de forma a manter-se afastado(a) dos outros colegas e evitar o contágio.
  • Contactar a Linha SNS24808 24 24 24 e explicar pormenorizadamente os sintomas e o histórico recente de viagens. Devem ser seguidas todas as orientações dadas.
  • Proteger a boca e o nariz quando tosse ou espirra, com um lenço descartável que deve ser deitado fora.
  • Evitar tocar em pessoas, superfícies e objetos.
  • A sala ou gabinete designado para o afastamento social do caso suspeito deve ser ventilada e deve ser limpa e desinfetada depois da pessoa a ter abandonado.
  • Se o caso suspeito necessitar de utilizar instalações sanitárias, deverá usar uma casa de banho separada, se disponível.
  • Não são necessárias medidas de controlo para as pessoas que estiveram em contacto com o caso suspeito enquanto são aguardados os resultados laboratoriais para COVID-19.
  • Não é necessário evacuar ou encerrar o estabelecimento de ensino, na ausência de exames laboratoriais confirmatórios.